O Brasil, país tropical de grande extensão territorial, apresenta uma geografia marcada por grande diversidade. A interação e a interdependência entre os diversos elementos da paisagem (relevo, clima, vegetação, hidrografia, solo, fauna, etc.) explicam a existência dos chamados domínios geoecológicos, que podem ser entendidos como uma combinação ou síntese dos diversos elementos da natureza, individualizando uma determinada porção do território.

Dessa maneira, podemos reconhecer, no Brasil, a existência de seis grandes paisagens naturais: Domínio Amazônico, Domínio das Caatingas, Domínio dos Cerrados, Domínio dos Mares de Morros, Domínio das Araucárias e Domínio das Pradarias.

Entre os seis grandes domínios acima relacionados, inserem-se inúmeras faixas de transição, que apresentam elementos típicos de dois ou mais deles (Pantanal, Agreste, Cocais, etc.).

Dos elementos naturais, os que mais influenciam na formação de uma paisagem natural são o clima e o relevo; eles interferem e condicionam os demais elementos, embora sejam também por eles influenciados. A cobertura vegetal, que mais marca o aspecto visual de cada paisagem, é o elemento natural mais frágil e dependente dos demais (síntese da paisagem).

SOBRE A VEGETAÇÃO DOS DOMÍNIOS:

DOMÍNIO AMAZÔNICO

A floresta amazônica, principal elemento natural do Domínio Geoecológico Amazônico, abrangia quase 40% da área do País. Além do Brasil, ocupa áreas das Guianas, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador e Bolívia, cobrindo cerca de 5 milhões de km2.

A floresta Amazônica possui as seguintes características:

  • Latifoliada: com vegetais de folhas largas e grandes;
  • Heterogênea: apresenta grande variedade de espécies vegetais, ou grande biodiversidade;
  • Densa: bastante compacta ou intrincada com plantas muito próximas uma das outras;
  • Perene: sempre verde, pois não perde as folhas no outono-inverno como as florestas temperadas (caducifólias);
  • Higrófila: com vegetais adaptados a um clima bastante úmido;
  • Outros nomes: Hiléia, denominação dada por Alexandre Von Humboldt, Inferno Verde, por Alberto Rangel e Floresta Latifoliada Equatorial.

Apresenta aspectos diferenciados dependendo, principalmente, da maior ou menor proximidade dos cursos fluviais. Pode ser dividida em três tipos básicos ou florestais:

  • Caaigapó: ou mata de igapó, localizada ao longo dos rios nas planícies permanentemente inundadas. São espécies do Igapó a vitória-régia, piaçava, açaí, cururu, marajá, etc.
  • Mata de várzea: localizada nas proximidades dos rios, parte da floresta que sofre inundações periódicas. Como principais espécies temos a seringueira (Hevea brasiliensis), cacaueiro, sumaúma, copaíba, etc.
  • Caaetê: ou mata de terra firme, parte da floresta de maior extensão localizada nas áreas mais elevadas (baixos planaltos), que nunca são atingidas pelas enchentes. Além de apresentar a maior variedade de espécies, possui as árvores de maior porte. São espécies vegetais do Caaetê o angelim, caucho, andiroba, castanheira, guaraná, mogno, pau-rosa, salsaparrilha, sorva, etc.

DOMÍNIO DO CERRADO

O Cerrado é a vegetação dominante; apresenta normalmente dois estratos: um arbóreo-arbustivo, com árvores de pequeno porte (pau-santo, lixeira, pequi) e outro herbáceo, de gramíneas e vegetação rasteira com várias espécies de capim (barba-de-bode, flechinha, colonião, gordura, etc.).

Os arbustos possuem os troncos e galhos retorcidos, caule grosso, casca espessa e dura e raízes profundas. O espaçamento entre arbustos e árvores é grande, favorecendo a prática da pecuária extensiva.

Ao longo dos rios, consequência da maior umidade do solo, surgem pequenas e alongadas florestas, denominadas Matas Galerias ou Ciliares. Essas formações vegetais são de grande importância para a ecologia local, pois evitam a erosão das margens impedindo o assoreamento dos rios; favorecem ainda a fauna e a vida do rio.

Nos últimos anos, como consequências da expansão da agricultura na região, as Matas Galerias e o Cerrado sofrem intenso processo de destruição, afetando o meio ambiente regional.

DOMÍNIO CAATINGA

A paisagem arbustiva típica do Sertão Nordestino, que dá o nome a esse domínio geoecológico, é a caatinga (caa = mata; tinga = branco). Possui grande heterogeneidade quanto ao seu aspecto e à sua composição vegetal.

Em algumas áreas, forma-se uma mata rala ou aberta, com muitos arbustos e pequenas árvores, tais como juazeiro, aroeira, baraúna etc. Em outras áreas, o solo apresenta-se quase descoberto, proliferando os vegetais  xerófilos, como as cactáceas (mandacaru, facheiro, xique-xique, coroa de frade etc.) e as bromeliáceas (macambira).

É uma vegetação caducifólia, isto é, na época das secas as plantas perdem suas folhas, evitando-se, assim, a evapotranspiração.

Os brejos são as mais importantes áreas agrícolas do Sertão. São áreas de maior umidade, localizadas em encostas de serras ou vales fluviais, isto é, regatos e riachos. As cabeceiras são formadas pelos “olhos-d’água” (minas).

DOMÍNIO MARES DE MORROS

A principal paisagem vegetal desse domínio era, originariamente, representada pela mata Atlântica ou floresta latifoliada tropical. Essa formação florestal ocupava as terras desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul, cobrindo as  escarpas voltadas para o mar e os planaltos interiores do Sudeste. Apresentava, em muitos trechos, uma vegetação imponente, com árvores de 25 a 30 metros de altura, como perobas, pau-d’alho, figueiras, cedros, jacarandá, jatobá, jequitibá, etc.

Com o processo de ocupação dessas terras brasileiras, essa floresta sofreu grandes devastações. No início, foi a extração do pau-brasil; posteriormente, a agricultura da cana-de-açúcar (Nordeste) e a do café (Sudeste).

DOMÍNIO DAS ARAUCÁRIA

O Domínio das Araucárias apresenta o predomínio da floresta aciculifoliada subtropical ou floresta das Araucárias. Originalmente, localizava-se das terras altas de São Paulo até o Rio Grande do Sul, sendo o único exemplo brasileiro de conífera. Também denominada mata dos Pinhais, apresenta as seguintes características gerais:

  • Os pinheiros apresentam folhas em forma de agulha (aciculifoliadas).
  • Ocupam principalmente os planaltos meridionais do Brasil.
  • É uma floresta homogênea, no entanto, possui manchas de vegetais latifoliados.
  • É uma formação vegetal menos densa.
  • Foi intensamente devastada.
  • Área de colonização europeia no século XIX (italianos e alemães).

DOMÍNIO DOS CAMPOS / PAMPAS

A paisagem vegetal típica é constituída pelos Campos Limpos ou Pampas, onde predominam gramíneas, cuja altura varia de 10 a 50 cm aproximadamente. É a vegetação brasileira (natural) mais favorável à prática da pecuária, tradicional atividade dessa região.

Nos vales fluviais, surgem capões de matas (matas de galerias ou ciliares) que quebram a monotonia da paisagem rasteira, formando verdadeiras ilhas de vegetação em meio aos campos.

Solo com apresentam boa fertilidade natural.

Formação de areais e campos de dunas no sudoeste do Rio Grande do Sul (Alegrete, Quaraí, Cacequi).

A utilização do conceito de desertificação é considerada inadequado para a região, porque ela não apresenta um clima árido ou semiárido, como também não existem evidências de que o processo estaria alterando o clima regional, sendo assim o termo mais indicado, segundo a pesquisadora Dirce Suertegaray, é Arenização.

TEXTO PRODUZIDO A PARTIR DOS ESTUDOS DO PROFESSOR AZIZ NACIB A’SABER.